O DUELO

— Não sei como você aguenta ver noticiário todos os dias — desabafou Maria Lúcia, durante o almoço.

— Não sei como você aguenta ver novela todos os dias — replicou Miguel, o marido.

— A novela distrai, o noticiário estressa.

— A novela aliena, o noticiário informa.

— Você está me chamando de alienada? – disse ela, elevando a voz.

Ele pensou em continuar contrapondo e ia perguntar se ela o estava chamando de estressado. Mas percebeu que a resposta iria jogar gasolina na fogueira que se formava. Resolveu jogar água:

— Não é isso, Maria Lúcia. Melhor não discutirmos exatamente na hora da refeição — chamá-la pelo nome fez parte da estratégia de arrefecimento.

— Disse bem: “da refeição”, pois é a única que fazemos juntos.

— Por causa das novelas à noite. Não sei por que você perde tempo vendo um amontoado de coisas ruins: mortes, doenças, traições, golpes, violência, drogas, ganância, desprezo, preconceitos. O pior do ser humano — resmungou.

— Pois é! Exatamente como no noticiário. O pior do ser humano.

Ele sentiu-se como se estivesse engolindo um osso do frango que estava comendo. Ela tinha razão…

Maria Lúcia continuou:

— Pelo menos na novela a gente sabe que é ficção. Nos telejornais, sempre sensacionalistas e tendenciosos, você acredita nas versões distorcidas que apresentam. Eu vejo a mentira e sei que é mentira. Você vê a mentira e acha que é verdade.

— Que exagero! Eu sei que misturam fato com opinião e que são tendenciosos — é assim no mundo todo. Mas sempre é possível ter uma ideia dos acontecimentos pelas imagens e não apenas pelo texto. Se houver uns 30% de realidade já é melhor que a novela, que tem zero. Você fica meses assistindo e depois vem aquele finalzinho decepcionante, no estilo de conto de fadas, com o vilão na cadeia ou morto e os pombinhos casando e sendo felizes para sempre.

— Você está parecendo repórter de telejornal: não conhece a matéria e sai dando opinião. Primeiro assiste uma novela comigo, do início ao fim, para depois poder avaliar com base, sem achismos e opiniões pré-concebidas.

Miguel achou melhor silenciar para não estragar de vez o almoço. Soprou ar pelo nariz fazendo um barulho típico que utilizava para manifestar sua discordância e calou-se. Mas o prazer da refeição dissipou-se.

Maria Lúcia percebeu a contrariedade dele e resolveu também deixar a discussão para outro capítulo da novela domiciliar. Aquela conversa estava destemperando a comida. Arrependeu-se de ter puxado o assunto, que não levaria a lugar nenhum, pois nem ele deixaria de ver o noticiário, nem ela suas novelas.

O silêncio tomou conta da refeição e permaneceu até a sobremesa. Já no cafezinho, Miguel resolveu ser conciliador:

— O mais comum mesmo é o homem gostar de noticiário e a mulher de novelas. Deve ser genético.

— Genético? Aonde você ouviu isso? Deve ter sido no noticiário…

— Minha filha, é o gosto masculino e o feminino. E gosto não se discute — contemporizou Miguel.

— Não se discute? Coisa mais autoritária.

— Não é neste sentido, Maria Lúcia. É que não adianta discutir, não é produtivo, pois ninguém vai ficar convencido de deixar o que gosta ou aderir ao que não gosta.

— Você vive dizendo que gosto é hábito, que podemos comer com menos sal, que quiabo é bom, que banho frio é mais saudável. Por que não se habitua a deixar de ver o noticiário todos os dias? Vai passar a gostar…

— Se você fizer o mesmo com as novelas, eu topo!

Maria Lúcia sentiu o golpe. O desafio precisava de uma resposta. Prescreveu para ele um remédio que ela mesma não queria tomar.

— Tudo bem, posso até topar, mas o que faríamos todos os dias à noite?

— Vamos jantar juntos. — respondeu de bate-pronto.

— E depois? Até a hora de dormir?

— Sei lá. Não pensei nisso. Ler um livro, por exemplo?

— Ótimo. Leio dois parágrafos e durmo na poltrona.

— Podemos conversar — tentou Miguel, logo se arrependendo.

— Todas as noites? Haja assunto. Sobre o que vamos conversar se você não souber o que está acontecendo e eu não tiver as histórias das novelas para comentar?

— É verdade…

— Melhor deixar como está, Miguel. Eu janto na hora do noticiário e você na hora da novela.

— Está bem. Jantamos juntos aos domingos.

— É.

Maria Lúcia achou que a conversa não poderia terminar assim e emendou:

— Mas continuo sem entender como você aguenta ver o noticiário todos os dias.

Ele levantou e foi escovar os dentes.

Antonio Carlos Sarmento

27 comentários em “O DUELO”

  1. “A vida como ela é” foi uma coluna de Nélson Rodrigues que fez muito sucesso no passado e também deve ter algumas linhas certamente sobre o tema da crônica deste domingo.
    A vida cotidiana de um casal não é glamorosa e sim cheia de controversas e cousas mal resolvidas mas que temperam a relação e até a tornam pitoresca.
    Você se enxergar no seu par dificilmente te faria feliz, acho até que seria demasiadamente monótono.
    A dualidade homem x mulher é engrandecedora e acredito também ser da espécie humana.
    Um abração.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Muito bom! O difícil nas relações é, muitas vezes, aceitar experimentar a preferência do outro e conseguir entender tal sentimento exposto por ele para, daí sim, poder opinar. Mudar pensamentos é mudar sentimentos. Obrigada pelas suas crônicas. Sempre muito bom lê-las aos domingos. Um abraço, Bete.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Bete,
      Com alegria recebo seu comentário e a notícia de que continua lendo com frequência aos domingos.
      Espero que todos estejam bem por aí!
      “Mudar pensamentos é mudar sentimentos”: gostei!
      Um grande abraço a você e Marcos André!

      Curtir

  3. Kkkkkkkkk… o melhor foi “— Podemos conversar — tentou Miguel, logo se arrependendo.” Acho que puxei a minha avó e minha mãe que não são muito de novela, mas a minha reação aos noticiários é como a dela. Hihihihi…

    Curtido por 1 pessoa

  4. Na minha casa, a D. Leila dá preferência às novelas eu, como o Miguel, gosto mais dos noticiários, especialmente, da parte política, onde mais me divirto, por ter um alto teor de comicidade. Provoca-me gargalhadas de desprezo, que ainda é melhor do que chorar.
    Parabéns pelo excelente artigo.
    Bom domingo e uma ótima semana, com muita inspiração.
    Carlos Vieira Reis

    Curtido por 1 pessoa

  5. Muito boa crônica! A compreensão é o cerne da questão. Muitas horas sem noticiário e novela permitem momentos felizes juntos. Forte abraço amigo!

    Curtido por 1 pessoa

  6. Prezado Amigo . . . Infelizmente, essas cenas são mais comuns do que se pensa, tão perto e tão longe, amanhã quando um dos dois morrer, o sobrevivente, vai cair no desespero, não pela falta daquele que se foi, mas pela falta do que discordar . . . haja coragem para mudar de hábitos . . .

    Curtido por 1 pessoa

  7. As diferenças podem ser complemetos essenciais para o crescimento do casal.
    De qualquer forma o caminho do meio é sempre a melhor opção!!!!
    Boa reflexão para a conjugalidade meu irmão!!!
    Bjo

    Curtido por 1 pessoa

  8. Achei ótimo e muito oportuno.
    Já passou da hora de rever esses conceitos, o mais importante é jantar e estar juntos.
    Noticiário e novela, não tem que constar no cardápio.
    Temos meios de comunicação rápidos e eficazes, estão a disposição e não são tóxicos.

    Parabéns!
    Excelente crônica

    Curtido por 1 pessoa

  9. Caríssimo eng. Sarmento.

    Como não sou um assíduo, constante, do Facebook e como, na maior parte das vezes que ali acedo, limito-me a dar uma olhada, na diagonal, desta vez, quiçá, pela pela curiosidade da crónica e, sobretudo, pelo seu autor, fui para a leitura vertical para captar a mensagem subliminar.
    Ora, aí está e, sem sofismas! A relação quotidiana de um casal, seja de que natureza for, não é pera doce e não há uma fórmula mágica que a torne um mar de rosas.
    Não sei porque cargas d’água, ao ler a sua crónica, veio-me á lembrança o dia do seu casamento e, com ele, a oferta/presente que os Inspetores de Trem (peço desculpas se foram mais) lhe ofereceram e que foi uma serra elétrica de cozinha e, partindo deste objeto cortante, faço duas sugestões: a primeira, satirizando uma relação a dois, uma solução pode ser fazer como na comédia “como esquartejar o meu marido”, uma solução muito sanguinária. A segunda, seria um esforço comum, p. e., partilharem o que de bom e mau lhe aconteceu; divertirem-se e rirem juntos, seja a assistirem uma comédia, seja a gozarem um com o outro as desgraças do dia; jogarem qualquer jogo, desde que não se duelem com armas; fazerem desportos juntos; dividirem tarefas domésticas, etc.,
    É evidente que isso seria o supra-sumo de uma relação, onde não houvesse qualquer entropia mas, como nas últimas décadas as tecnologias de informação nos tem levado para a individualização social e, principalmente, nestes tempos de COVID, onde os limites dos casais estão a ser postos em dificílimas provas, devemos esforçar-nos q.b., pois, quem faz o que pode a mais não é obrigado.

    Parabéns pela crónica e, doravante, segui-lo-ei atentamente.
    Abraço

    Curtido por 1 pessoa

    1. Manuel,
      Com muita alegria e surpresa recebo seu comentário.
      Que maravilha fazer-me lembrar do presente de casamento dos inspetores de trem!!!!! Foi em 1980, ou seja, há 40 anos e você lembrar disso, para mim, é uma preciosidade.
      Como é bom revivermos momentos felizes de nossa vida: foi um tempo de trabalho duro e não faltavam problemas e dificuldades. Mas a lembrança é doce e gratificante!
      Obrigado por trazer ao meu coração estas recordações. Fico feliz que esteja seguindo as crônicas.
      Um cordial abraço!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s