GESTOS

A comunicação humana é algo de grande riqueza, que vai muito além das palavras. Nosso corpo também fala, emite sinais e gestos, mesmo os mais simples e sutis, que podem carregar significados profundos. Em algumas situações, apenas um levantar de sobrancelhas ou um tamborilar de dedos na mesa pode ter um alcance muito revelador. Outras vezes um piscar de olhos, um coçar de cabeça ou um gesto das mãos pode dar precisas indicações a um observador atento.

Quantos amores começaram sem nenhuma palavra, apenas com um rápido olhar cruzado, quantas inimizades só com um virar de rosto, um dar de ombros ou um dedo em riste. Sinais sutis na comunicação humana podem ser grandes quanto ao impacto nos sentimentos alheios.

Recordo que, certa ocasião, ingressei numa empresa, animado e feliz como qualquer um no primeiro dia de um novo trabalho. Fui então apresentado ao colega com quem dividiria a sala da assessoria de um diretor. Ao apertar minha mão, ele o fez muito brevemente e desviou o olhar. Percebi ali que não me considerava bem-vindo, provavelmente porque até então reinava sozinho na função. Resolvi apenas registrar esta percepção e agir normalmente, sem julgar o livro pela capa. Preferi acreditar que o passar do tempo e o conhecimento mútuo nos permitiria superar qualquer diferença.

Nos primeiros meses conversávamos muito pouco, apenas o essencial, com educação e sem aproximação. Notei que ele costumava ir à sala do diretor logo no início da manhã e decidi optar pelo horário da tarde, para não haver competição. Passados uns três ou quatro meses as coisas já caminhavam melhor. Ele percebeu que tratávamos de assuntos bem distintos, sem nenhuma interferência. Deve ter notado que seu trabalho não sofreu alterações devido a minha chegada e foi ficando mais tranqüilo. Certo dia, pasmem, chegou a sorrir e contar um breve caso ocorrido na hora do almoço… As coisas estavam melhorando.

Até que um dia de manhã, após sair da sala do diretor, estava exaltado:

– Esse cara é insuportável!

Surpreendi-me, pois ele nunca havia feito este tipo de comentário.

– O que foi? – indaguei.

– Esse sujeito. É insuportável! – repetiu apontando a porta da sala do diretor.

Calei-me. Não compreendendo o que ocorria achei melhor optar pelo silêncio.

Ele continuou:

– Todo dia é essa estupidez. Que humor de cobra!

– Mas o que houve?

– É todo dia isso! Só grosseria. Eu dou bom dia e ele responde de cabeça baixa, sem tirar os olhos do papel. Quando eu sento à frente dele, me olha irritado e pergunta o que foi, como se eu estivesse incomodando: estou trabalhando! Começo a falar e me interrompe, impaciente. No fim não resolve as coisas direito e às vezes ainda eleva a voz.

Aquilo tudo foi para mim uma surpresa, pois os meus encontros diários com o diretor vinham sendo muito diferentes. O sujeito ria pouco, era firme e rigoroso, mas sempre educado e até gentil.

Concluí que meu colega era desatento a esta linguagem silenciosa, além das palavras. Os sinais estavam ali, evidentes: ele recebia, mas não percebia! Talvez o mesmo ocorresse com os sinais que ele emitia, como fez quando fomos apresentados. Era um tipo de cegueira que achei melhor abdicar de tentar resolver, até pela pouca intimidade que tínhamos. Aparentemente ele só prestava atenção ao que ouvia, mas não ao que via. Ora, aquele “bom dia” sem levantar os olhos era um sinal vermelho: ao não respeitar o sinal e seguir adiante, meu colega sofria uma pesada carga de multas decorrentes da infração.

– Já experimentou voltar da porta quando ele estiver lendo? – tentei.

– Não é isso. Ele é grosso mesmo! E eu tenho que resolver os assuntos logo na primeira hora da manhã. – insistiu.

Trabalhei ali por mais um ano, vendo aquele drama repetir-se periodicamente. A cegueira era mesmo incorrigível.

Tempos depois, mudei de área e passei a trabalhar sob as ordens de outro diretor. No primeiro dia que conversamos, o novo chefe me orientou:

– A sua área é a de maior prioridade. Pode entrar na minha sala a hora que quiser.

Naquele momento achei que tinha sido uma frase apenas para me dar confiança. No dia seguinte, pelas quatro da tarde, fui fazer o teste: passei direto pela secretária e abri a porta daquele gabinete tão solicitado. Ele estava escrevendo, de cabeça baixa. Ao perceber o movimento na porta fez uma breve pausa e levantou os olhos: quando me viu, pousou a caneta no ponto em que se encontrava e mandou-me entrar. Aquele largar da caneta me conquistou. E assim foi todas as vezes que a cena se repetiu. Nunca mais trabalhei com alguém que fizesse isso. Um gesto mudo e simples, porém mais representativo que quaisquer palavras. Foi um dos melhores períodos da minha vida profissional.

Concluo contando o ocorrido com meu amigo Lourival, que visitava a cidade de Veneza com a família. Numa tarde, foram à famosa ponte de Rialto, construção de muita beleza e intenso comércio. No passeio, este amigo viu uma camisa com um desenho de Leonardo da Vinci e encantou-se com a peça. Aproximou-se, mas o vendedor estava dando atenção a uma senhora que muito perguntava e nada comprava. O tempo foi passando e, como é sabido, paciência de turista é mercadoria escassa.

Atingido o limite da tolerância, Lourival resolveu pegar a peça e estender ao vendedor, esperando que ele fizesse um rápido desvio de atenção da tal senhora para realizar a venda líquida e certa. Ledo engano: o vendedor espalmou a mão em sua direção, em sinal de espera e proferiu algumas palavras em italiano, apontando para a senhora. Aquela palma de mão machucou Lourival. Foi quase um tapa. Ele fez a cara mais feia que conseguiu, largou a camisa no balcão e virou as costas.

Ao retornar sua mulher perguntou:

– Não comprou a camisa?

– Não!

– Por que? Você queria aquela estampa. Não tinha o seu tamanho?

– Tinha. Mas o vendedor é um estúpido. Vamos embora!

Já tinham caminhado uns 100 metros quando ela, conhecendo bem o marido, propôs:

– Quer que eu vá lá comprar? O vendedor não vai saber que é para você.

Ele aceitou na hora.

Dizem que as palavras podem ferir mais que as ações. E o tom mais que as palavras. Acho que os gestos também.

 

Antonio Carlos Sarmento

22 comentários em “GESTOS”

  1. Excelente como sempre. As vezes a linguagem não verbal fere mais que palavras ditas. Alem do perigo de que teu o inconciente Capte e te faça agir rispidamente com alguem sem que voce nem saiba porque. Caramba, papo mais cabeça… kkkkkk abraços que Deus te abençoe e se cuide que a coisa ta passando, se Deus quiser.

    Curtido por 1 pessoa

  2. É simplesmente sutil e inteligente além de nos alertar sobre uma forma de atenção e delicadeza a se destacar em especial em novos tempos, já que pós pandemia, gestos podem também, fazer a diferença. Parabéns

    Curtido por 1 pessoa

  3. Ótima crônica .
    O gesto faz parte importante na comunicação e podem realmente ferir e criar marcas , como também criar simpatia .
    Muito bem abordado o assunto.
    E nós mesmos, inconscientemente, podemos fazer algo gesto e ferir uma pessoa , simples gesto com a mão, erguendo os cinco dedos , pode causar esse desconforto, mesmo estando em uma situação inevitável de estar dando atenção a outra pessoa, que está precisando ser ouvida naquele momento, e quem recebe o gesto, recebe como se fosse um pouco caso .
    Da mesma forma , pode ocorrer ao contrário, um gesto de sorriso ou um simples gesto com a mão cedendo a vez.
    Muito bom .
    Valeu Cacau !

    Curtido por 1 pessoa

  4. Muito boa como sempre!
    Leitura deliciosa em todas as manhãs de domingo.
    Além de belas e leves histórias, sempre traz algo para nos fazer pensar e refletir. Os gestos falam muito e de forma muito forte porque vem do íntimo. As palavras podem ser trabalhadas e o tom da voz também para amenizar e disfarçar o que se está sentindo, mas o olhar e os gestos nos entregam. São mais difíceis de dissimular.
    Parabéns meu escritor predileto!

    Curtido por 1 pessoa

  5. Caro Antonio Carlos:

    Mesmo n aminha “prisão albergue”, não deixo de ler seus preciosos artigos, como sempre muito bem redigidos.

    Para mim, palavras e gestos tem significados quase idênticos.

    Sds.

    Carlos Vieira Reis

    Curtir

  6. Perfeita percepção meu irmão!!!
    Como fonoaudióloga posso garantir que a comunicação humana vai muito além das palavras!!!!
    Sensibilidade rara é só para alguns, você!!!!
    Bjos

    Curtir

  7. Ótima. O texto nos faz refletir e perceber atitudes muitas vezes involuntárias.
    Leitura obrigatória de domingo.
    Beijos

    Curtir

  8. Excelente crônica. As vezes as palavras dizem uma coisa e o corpo outra. Vide o caso dos Mardonis. O importante é que a verdade sempre aparece. Gestos são mais precisos que palavras faladas. Palavras escritas, na minha opinião, são muito mais importantes que gestos e palavras faladas, porque as escritas ficam para sempre, se você não deletar e gestos, quando não se tem a presença é quase que impossível, a não ser que seja através de um vídeo. Como vou fazer gestos para dizer que você é um dos meus favoritos? Ficam então, essas palavras escritas.Parabéns por mais uma!
    Abraços.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Nelson,
      Seus comentários são preciosos e já os aguardo com expectativa.
      Agradeço por acompanhar as crônicas com tanta assiduidade e sempre fazer suas observações com leveza e criatividade.
      Um grande abraço e desejo uma excelente semana!

      Curtir

  9. Nssos gestos diários são imperceptíveis tamanha repetição e por isso muitas vezes são desastrosos ao olhar alheio. Me identifiquei com várias partes da belíssima crônica. Parabéns, Antonio Carlos.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Caro Rodrigo,
      Fico contente que esteja acompanhando as crônicas.
      è muito bom quando nos identificamos com o texto: parece que ali tem um pouco de nós mesmos.
      Muito obrigado por comentar meu caro amigo!
      Abraços

      Curtir

  10. Ei cronista querido!
    Sempre ouvi dizer que um gesto vale mil palavras.
    Sua crônica me trouxe doces recordações de gestos que me marcaram. Inclusive quando ainda era bem menininha. Não se esquece o que está gravado no coração.
    Fiquei feliz!!
    Beijos

    Curtido por 1 pessoa

  11. Prezado amigo e irmão, Antônio Carlos.

    Vivemos em uma sociedade competitiva às vezes com um alto grau de violência, prevalecendo à arrogância, à intolerância, sempre presente no individualismo.

    Existem pessoas estressadas, fabricantes de estímulos negativos na conduta com o próximo, verdadeira ausência de amor, fraternidade e paciência.

    Por fim, sinalizo que a melhor maneira de viver é praticar o amor ao próximo.

    “Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele quem nos amou e enviou-nos seu Filho como vítima de expiação por nossos pecados” (Jo 4,10).

    Um fraterno abraço ao querido amigo e a todos da família.

    Oslúzio Felix Fonseca

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s