ATENDIMENTO

Sempre que lhe perguntarem se você sabe fazer um trabalho, diga que sim e apresse-se em descobrir como executá-lo. Foi com esta frase de Theodore Roosevelt em mente que, sem nenhuma experiência, aceitei trabalhar numa festa de igreja. Era no estilo festa junina, com barraquinhas de guloseimas, quadrilhas dançando e até um show de música ao vivo.

Aceitei querendo ser útil, fazer um trabalho voluntário sem nenhum outro interesse e, portanto, não teria sentido escolher funções. Assim, fui escalado e topei ficar no caixa da barraca de cachorro-quente, canjica e caldo verde. Mal sabia o que me esperava…

Segui o conselho do presidente americano e logo procurei entender como executar a tarefa. Os organizadores me informaram que seria tudo muito simples: o caixa ficava numa lateral da barraca, tendo acima uma tabuleta com os produtos e preços em letras garrafais. Assim, o público teria muita facilidade para escolher o que desejasse e então era só fazer a venda e entregar ao cliente uma pequena ficha de papel na qual estava impresso o nome de cada produto. Dali o cliente ia para o balcão frontal e retirava seu saboroso pedido.

Animado para a minha primeira experiência de atendimento direto ao público, assumi o posto em torno das cinco horas da tarde, com um largo sorriso no rosto e uma enorme vontade de ser gentil e conquistar os clientes. A festa era da igreja e o espírito de fraternidade me dominava!

As lições de marketing da época da universidade vinham à memória: não é vender para a pessoa e sim ajudar a comprar!

Os primeiros momentos foram tranquilos e até agradáveis. A equipe dentro da barraca era só alegria. Uns mexiam panelas, de onde exalavam aromas apetitosos, enquanto outros finalizavam detalhes dos preparativos. A festa ainda estava vazia e assim as poucas vendas transcorreram em calma, recheadas de sorrisos e cortesias.

— Um cachorro-quente e um refrigerante, por favor.

O agradecimento, o troco e duas fichas de papel. Pronto, lá ia a pessoa tranquila para receber seu lanche. Saía agradecendo e elogiando.

Lembrei então: atender com amor é a melhor receita!

O tempo foi passando e o movimento continuava baixo, o que começou a me preocupar. Perguntei ao pessoal se era assim mesmo, pois me parecia que o caixa estava muito vazio e as panelas muito cheias. Um voluntário, já experiente, esclareceu:

— Espera acabar a missa, ali pelas 7 da noite. Aí é que começa a festa.

Perfeito. Isso mesmo. Me fez lembrar: entender para atender!

Até que a hora chegou.

Acabou a missa e veio o estouro da boiada. A escadaria da igreja despejou uma interminável cachoeira de gente sobre a nossa barraca. Fiquei achando que o padre havia chamado para aquela missa apenas pessoas católicas com forte preferência por cachorro-quente, caldo verde e canjica.

Numa fração de segundo vi uma fila infinita formar-se diante do meu caixa. Até aquele dia eu não sabia que missa dava tanta fome:

— São dois cachorros-quentes, um caldo verde e três refrigerantes!

— Quatro canjicas e três caldos verdes!

— Três caldos verdes e quatro canjicas!

Era um tiroteio. Na fila uma bateria de metralhadoras de alta repetição e no caixa uma pequena pistola calibre 22…

Enquanto foi assim ainda estava bem. Procurei manter a calma para não errar no troco, separar as fichas de papel certas e ir guardando o dinheiro de um modo minimamente organizado. Mas aquela enorme fila fazia uma pressão gigantesca sobre mim e não posso negar que, aos poucos, foi alterando a minha disposição inicial para a caridade e fraternidade.

Olhei em direção ao balcão frontal e tudo corria bem, pois ali havia muita gente para receber as fichas e entregar os produtos. Eu era o gargalo!

Foi quando começou o teste de nervos. Chega uma senhora:

— Moço, tem misto quente?

— O que tem está aí na tabela, minha senhora — disse eu pacientemente, apontando para cima e oferecendo-lhe um sorriso amarelo.

— Ah, eu não tinha visto…

Pensei: a senhora é cega ou débil mental? Mas não falei, pois até ali as lembranças da teoria de marketing continuavam chegando: ter os interesses do cliente acima dos seus!

— A senhora quer um cachorro-quente?

— É de salsicha ou de linguiça?

Ai meu Deus…

— De salsicha, minha senhora.

— Tem molho?

— Tem. Se a senhora quiser com molho é só pedir.

— Eu não gosto de molho.

Procurei encarar como um teste de paciência.

— Então a senhora pede sem molho, ok?

— Não. Me dá um caldo verde.

Preferi calar. Dei o troco, entreguei a ficha e estiquei o olhar ansioso para o próximo da fila. Ela deu dois passos e voltou:

— Moço, esqueci. Quero um refrigerante também.

Olhei em volta em busca do padre para pedir perdão, pois sei que podemos pecar por pensamentos…

Seguiram-se uns três ou quatro atendimentos normais, ou seja, tensos e apressados. Foi quando ele chegou. Começou vacilante:

— É…

Já não gostei. Ele então soletrou:

— Um c-a-c-h-o-r-r-o-q-u-e-n-t-e e dois refrigerantes.

— Ok.

— Não, um não. É… Dois cachorros-quentes. Ah, tem caldo verde? Hum…

— Muito bem, qual o seu pedido, senhor?

— Calma, moço. Estou escolhendo ainda…

O lugar para onde desejei que ele fosse é inconfessável.

— Eu estou calmo, senhor. Mas veja o tamanho da fila. O que o senhor vai querer?

— Já falei: um cachorro-quente e dois refrigerantes. E um caldo verde. Quanto é a canjica?

— Está aí na tabela, senhor.

— Poxa, o senhor não ajuda…

Naquele momento desisti de ser aprovado no teste de paciência. Comecei a contrariar toda a teoria de marketing e minhas intenções iniciais:

— Estou aqui para vender e não para ajudar, meu amigo.

— Tá. Esquece a canjica.

Esqueci na hora.

Mais alguns atendimentos e chega um jovem de óculos:

— Aceita cartão de crédito?

— Só dinheiro.

— Cartão de débito?

Respirei fundo. Cadê o padre?

— Não. Só dinheiro.

— Que absurdo. Tinham que aceitar cartão.

Desisti definitivamente dos meus bons propósitos. Atender com amor é uma utopia. Melhor a agilidade que a fraternidade. Ignorei o sujeito:

— Próximo, por favor.

Era um casal. Ele com uns 40 anos, moreno e muito sério. Esticou uma nota de 100 reais:

— Um refrigerante, por favor.

Haja paciência. Primeiro meus interesses, depois os do cliente.

— O troco tá difícil. O senhor tem uma nota menor?

— Não — disse ele, com olhar desafiador.

Tive o ímpeto de dizer-lhe que não tinha troco, o que não era verdade. Resolvi ceder. Muito a contragosto, recebi a nota, entreguei-lhe o troco e a ficha do refrigerante sem dizer uma palavra e continuei atendendo.

Passados alguns minutos o sujeito voltou, interrompeu o atendimento que eu fazia e em alto tom de voz, exigiu:

— Você me passou uma nota falsa de 50 reais. Eu quero outra!

Foi a gota d’água. Eu agora só estava interessado em vender e não em atender, com amor nem pensar, entender ninguém nem coisa nenhuma e primeiro os meus interesses. Ao inferno com o marketing! Respondi no mesmo tom:

— Não vou trocar! Não sei se esta nota é falsa e muito menos se fui eu quem lhe passou.

O sujeito transfigurou-se:

— O quê? Você está duvidando de mim?

— E você está me acusando de falsário?

Ele meteu a mão no bolso e sacou uma carteira com um brasão da república:

— Eu sou policial. Você troca esta nota ou vamos para a delegacia.

Nem pestanejei. Era caso de vida ou morte:

— Vamos para a delegacia!

Felizmente um amigo que estava atendendo na barraca viu o “barraco” e aproximou-se. Com diplomacia me tirou da função e passou a atender o policial, talvez mais falso que a tal nota.

Deixei o local ainda transtornado, sentindo na pele como é difícil atender o público. Entrei na igreja para pedir perdão à Deus e também aos autores dos grandes livros de marketing. Resolvi também rezar pelos que exercem esta função.

Roosevelt estava errado, pelo menos no meu caso: se perguntado se sei fazer o trabalho de atendimento ao público deveria responder que não e ponto final. Melhor reconhecer a incompetência que passar por um vexame.

Como são diferentes as coisas quando olhadas pelo outro lado do balcão.

 

Antonio Carlos Sarmento 

Se quiser receber no seu e-mail as crônicas semanais, basta seguir o Blog no lado direito, incluindo o seu e-mail e clicando em “Seguir”.  

37 comentários em “ATENDIMENTO”

  1. Muito bom !
    Eu acho que conheço essa barraca rsrsrs, a única coisa que me ocorreu após ler e dar gargalhadas… “Vocês para me seguirem serão perseguidos também “… Roosevelt não entende nada de paróquia, mas nosso irmão Jesus Cristo previu tudo com muita assertividade… ficar nessa barraca é a prova final, é a divisão entre o céu e o inferno, atender no balcão é o céu, mas ficar no cx, hummm!…Sei não! Kkkkkkkkk
    Meu irmão Cacau, sua crítica veio na hora certa, essa noite foi braba… dormi menos do pouco que normalmente durmo.
    Bjs

    Curtido por 2 pessoas

    1. Querido amigo.
      Lembro bem desses momentos…
      Não era fácil exercer a função de caixa nas festas da nossa Paróquia…. Mas você venceu todas as dificuldades e foi o caixa por vários anos…. Foi e será sempre o nosso caixa preferido…
      Precisa ter as suas qualidades para essa espinhosa missão…
      E você não era caixa apenas nos eventos da festa do Padroeiro….
      E o Queijos e Vinhos… Era na entrega dos mesmos….
      Quanta saudade… Que tempos maravilhosos… Abrs .

      Curtido por 1 pessoa

      1. Amigo Nei,
        Nem esperava seu comentário devido à viagem à Brasília. Obrigado!
        Fico contente por ter despertado boas lembranças de nossos eventos em comunidade.
        Realmente “tempos maravilhosos”!
        Grande abraço, felicidades à Tatiana e beijos na Jaciara.

        Curtir

  2. Prezado Antonio Carlos:
    Você, indiscutivelmente, não se dá bem com o oficio de vendedor de cachorros quentes. É melhor e mais saudável continuar como excelente engenheiro e escritor.
    Sds. do seu leitor,
    Carlos Vieira Reis

    Curtido por 1 pessoa

    1. Amigo Carlos,
      Seu conselho quanto ao ofício de vendedor já estou seguindo, ok? hahahaha
      Quanto a engenheiro e escritor continuo insistindo e agradeço a bondade do amigo ao incluir a palavra “excelente”. Muita bondade mesmo…
      Grande abraço meu amigo, leitor fiel e excelente advogado.
      Desejo uma ótima semana!

      Curtir

  3. Muito bom! Me deu um domingo de boas lembranças. Trabalhei na FEIRA DA PROVIDÊNCIA quando era na lagoa Rodrigo de Freitas. Um dia te conto… kkkkk

    Curtido por 1 pessoa

    1. Amigo Luigi,
      Fico feliz da crônica ter trazido lembranças doces. Quanto à sua história na Feira da Providência, pode crer que estou sempre muito interessado em ouvir os casos dos amigos, fonte de inspiração para outras crônicas.
      Obrigado por comentar e tenham uma ótima por aí!
      Abraços

      Curtir

  4. Caro amigo, me trouxe tantas lembranças das inúmeras vezes que Frank e eu fomos caixa na Imaculdada… muitos casos hehehehe. Me deu um ar saudosista desses tempos!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Sandra,
      Muito bom lembrar estas ocasiões de eventos em comunidade. Você devem ter passado por muitas experiências. Na hora não é agradável, mas depois acaba sendo motivo de risos…
      Muito obrigado por comentar e um grande abraço à você e Frank. Uma ótima semana para toda a família!

      Curtir

  5. Meu Caro Irmão!!!
    A qualidade de um texto se mede principalme quando, ao ler, somos transportados para a cena descrita. Mais uma vez assim me senti. Tive que interromper a leitura várias vezes porque vivenciando as cenas chorei de tanto rir. Até a nossa cadelinha TUTTY se espantou porque ainda não havia presenciado tamanhas e incontroláveis gargalhadas com lágrimas. Pulou no meu colo querendo entender e socorrer-me se necessário. Muito bom. MARAVILHA.
    Recuperado de tanto rir, comentei com a Anna que esta cronica além de divertida, contem elementos para uma e excelente e profunda reflexão sobre os acontecimentos da vida humana em que frequentemente temos que exercer A ARTE DO ATENDIMENTO.. Obrigado e Parabéns mais uma vêz, meu irmão.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Meu querido irmão,
      Se eu tivesse escrito esta crônica apenas para você, já teria valido muito a pena. Só de saber que você chorou de rir já me sinto gratificado.
      Só lamento pela Tutty: talvez esta crônica não seja boa para cachorro… hahaha
      Fico muito feliz com seu comentário e também por saber que vocês por aí acompanham assiduamente as publicações.
      Muitíssimo obrigado por partilhar suas impressões.
      Beijos em todos e que tenham uma maravilhosa semana.
      PS: Nós estamos retornando ao Brasil na segunda feira que vem.

      Curtir

  6. Querido Antônio, retratou meus últimos 15 anos de vida com uma precisão como se fosse do ramo. Ri demais. Excelente texto, excelente blog e parabéns pelo seu dom.
    Grande Abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Caro Brenno,
      Muito contente em vê-lo por aqui.
      E parece que foi com a crônica certa, né? hahaha
      Fico contente que tenha se divertido e gostado do blog. Agradeço suas palavras e também parabenizo pelo seu trabalho de atendimento, que tanto reconhecimento tem alcançado. Desejo muito sucesso, pois sei que o talento você já tem!
      Um grande abraço e uma ótima semana para toda a família!

      Curtir

    1. Meu querido amigo Fabrício,
      Saudades mesmo… Quanto tempo não nos encontramos. Espero que esteja tudo bem por aí.
      Estamos em Portugal visitando a Tati e retornaremos semana que vem. Numa destas vindas, passada a pandemia, vamos combinar de ir até aí para matar as saudades.
      Grande abraço e fico contente que tenha se divertido!

      Curtir

  7. Prezado Amigo, Muito boa noite, Divertidíssima, com sempre, essa crônica . . . Após exercitar a colaboração em diversas ocasiões, posso lhe afiançar: na colaboração, quem mais se beneficia é colaborador e, a prova disto são as manifestações de diversos de seus contemporâneos, sobre as suas colaborações ao longo da vida . . . Parabéns! Recomendações à Sônia, à Tatiana, ao Jean, ao Gui e demais familiares.
    Livre de vírus. http://www.avast.com .

    Curtido por 1 pessoa

    1. Grande amigo JH,
      Que bom ter se divertido!
      Você tem razão: o trabalho voluntário é sempre muito recompensador.
      Obrigado por comentar, meu caro amigo.
      Um beijo em toda a família e um especial na Catarina!
      Excelente semana!

      Curtir

  8. Hahahaha….. muito boa!!
    Mais uma descrição perfeita onde foi possível vivenciar cada detalhe!!!
    Quase senti o cheirinho do cachorro quente e vi suas feições se transformando, digo:transtornando!!
    Além de divertida a crônica de hoje traz a reflexão do quanto precisamos valorizar aqueles que nos servem…
    Parabéns Cacau,arrasou!!!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Minha querida irmã,
      Acho ótimo quando alguém diz que vivenciou a situação pelo texto.
      Assim como você, certa vez uma leitora comentou que conseguiu “ouvir e ver o texto”. Isso é maravilhoso!
      Que bom ter se divertido, minha irmã. E realmente atender diretamente ao público não é fácil…
      Beijos e uma maravilhosa semana.
      PS: O Tom vem aí!!!!!!!!!!

      Curtir

  9. Querido Irmão,
    Ri muito da sua experiência e exercício de paciência.
    Atendimento ao público mesmo com sua descontração, simpatia, cordialidade e cortesia , tem limite…….
    Beijo grande. Saudades!!!

    Curtido por 1 pessoa

  10. Ei Cacau!
    Sua crônica me faz lembrar o adágio que diz que , para ser vendedor, é preciso ser corajoso ou criativo.
    Os desprevenidos acabam estressados.
    Mas, com certeza, o personagem dessa história se chamava Joaquim ,
    Benedito ou qualquer outro nome- nunca Antonio Carlos porque esse é paciente, tranquilo, cheio de empatia e de simpatia para oferecer.
    Bem-vindo de volta! Aqui também há uma fila que espera seu retorno , com prazer.
    Beijos nos queridos na santa terrinha.

    Curtido por 1 pessoa

  11. Para desempenhar funções de atendimento é necessário ter vocação e muito treinamento. Ter o dom para o atendimento ao público é ter empatia, esforço para “sentir” o que o próximo quer dizer, mas que pode ter dificuldade em expressar, precisando de nossa ajuda. Não é fácil atuar nessa atividade, como também conseguir narrar episódios como este vivido. Tanto atuando em atendimento quanto narrando com sentimento, somente quando é feito com o coração.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Amigo Rodolpho,
      Sei que tem experiência e conhecimentos sobre o tema e portanto sua opinião é fundamentada.
      Diferente de mim, que apenas tive esta experiência, não muito bem sucedida… hahahaha
      Mas posso te garantir que escrevi com o coração!!!
      Grande abraço meu amigo!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s