POR EXEMPLO

A importância do exemplo é exaltada em muitas frases célebres. A que mais gosto é do filósofo norte-americano Emerson, cunhada no século dezenove: “Suas atitudes falam tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz”. Quanta sabedoria.

Lembro que meu pai, bom de garfo, amante da boa comida, algumas vezes mencionou ao final da refeição, naquela conversa em família após a sobremesa, que o certo para a saúde era comer pouco. E arrematava: sair da mesa com fome… A primeira vez que falou isso, após fartar-se de uma generosa moqueca de peixe, ninguém deu crédito nem teve coragem de contestar. Mas na vez seguinte, os risos mesmo um pouco encabulados, deixaram claro que o conselho não merecia acolhida. Ainda tentou mais algumas vezes e aí, as gargalhadas à mesa revelaram a inconsistência do “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”. Até hoje, que eu saiba, nenhum de seus filhos deixou a mesa antes de saciar totalmente a fome e ainda incluir certa reserva para contingências… A força do exemplo!

Sei do caso de uma pessoa que, desejosa de perder uns poucos quilos, foi à uma consulta com um médico especialista em emagrecimento, que não conhecia. Após aguardar por quase uma hora, a atendente orientou que poderia entrar: ao fundo estava o médico, que educadamente levantou-se para cumprimentar, exibindo uma barriga de grávida e certamente mais de 100 quilos. Com a surpresa, ela decidiu na hora:

– Ah doutor. Desculpe. Eu não vou fazer a consulta. Obrigado! – disse, rodopiando seus quilinhos a mais nos calcanhares e deixando o consultório.

Talvez uma indelicadeza, mas se aquela pessoa não conseguia uma solução para si mesma, que credibilidade teria para resolver o problema de outros? Era como uma pessoa na ruína financeira querendo dar conselhos de como ficar rico em 10 lições!

Estas reflexões me fazem lembrar um caso ocorrido no início da minha vida profissional. Fui trabalhar numa empresa do governo que fazia importantes obras, talvez as mais relevantes do Estado naquele período.

O presidente da Companhia vivia sempre pressionado pelo Governador e com prazos prementes a cumprir. Muito hábil e competente, usava uma interessante estratégia: marcava constantes visitas às obras, acompanhado de todo o staff, de modo a conferir no local, ao vivo, o real andamento. As visitas eram verdadeiros eventos, com pompa e circunstância, sempre envolvendo grande aparato de pessoas e recursos.

Naturalmente, nos dias que antecediam a visita, tal qual estudantes em vésperas de prova, os gerentes e diretores faziam todo esforço para colocar a obra em dia, já que o presidente, com o cronograma em mãos, iria cobrar cada detalhe.

Eu não acompanhava essas visitas, pois ainda era iniciante na carreira e na empresa. Até que, após alguns meses de trabalho, foi marcada uma visita numa obra próxima de onde eu trabalhava e, embora sem relação com minhas atividades, fui convocado a participar. Seria a minha estreia numa visita presidencial e recebi a orientação de que apenas deveria acompanhar o grupo, aguardando-os na entrada do canteiro de obras.

Cheguei ao local com mais de uma hora de antecedência, tenso com a expectativa daquele acontecimento inédito para mim. O canteiro era todo cercado por tapumes, existindo uma única porta para entrada de pessoas e, ao lado, um portão para caminhões, ambos permanentemente fechados.

Cheguei à porta e toquei a campainha. Após algum tempo, abriu-se uma janelinha de correr pela qual eu só conseguia ver dois olhos que me observavam. Mostrei o meu crachá da empresa, informando àqueles olhos que estava aguardando as autoridades para a visita que ocorreria em breve. Uma boca que eu não via respondeu que tinha conhecimento e já aguardava a chegada dos visitantes:

– O senhor quer entrar? – indagou-me.

– Não. Vou aguardar aqui.

– É que eu não posso deixar a porta aberta. São ordens.

– Perfeito. Quando chegarem eu toco a campainha. Mas, por favor, não demore a abrir.

– Sim senhor.

Fiquei ali, no sol, de capacete e crachá, paramentado para a aguardada visita. O tempo passava mais lentamente que o normal, como quando a gente espera na fila do banheiro.

Finalmente, os carros pretos da comitiva apontaram na rua, que devido às obras estava fechada ao tráfego. Assim que estacionaram, toquei a campainha e o rapaz, que estava vigilante, aliás, era o vigilante, com presteza abriu a porta e postou-se do lado de fora. Só então pude conhecer o dono dos olhos: um sujeito moreno e forte, estatura média, uns 30 anos, barba feita, cabelos bem curtos e vestindo um fardamento típico da função.

O grupo aproximou-se, tendo o presidente à frente, sendo seguido por umas 50 pessoas. Ao chegar à entrada, o presidente cumprimentou o vigilante, que havia se posicionado a frente da porta:

– Bom dia!

– Bom dia. O senhor vai entrar?

– Sim, vamos.

– Seu crachá, por favor.

O presidente ficou atônito. Olhou para trás.

– Ele é o presidente da empresa. – disse um dos diretores.

– Certo. Mas a ordem que eu tenho é que só pode entrar aqui com crachá.

Outro diretor tentou:

– Rapaz, com licença. Esta é uma visita oficial. Nunca exigiram crachá. Nós vamos entrar para inspecionar a obra.

– Tudo bem. Mas aqui só entra quem estiver com o crachá. São ordens. – respondeu ele, recalcitrante.

Eu estava paralisado. Seguia a orientação de apenas acompanhar o grupo, sem interferir, mas temia pelo desfecho do episódio.

Uma terceira autoridade ainda tentou:

– Vai chamar o seu chefe.

– Ele não está aqui agora.

Os ânimos já estavam ficando exaltados. Aqui e ali ouvia-se em meio ao falatório:

– Este cara é louco! Fazer isso com o presidente.

– Irresponsável.

– Tem que ser demitido.

O presidente percebeu o rumo que a situação ia tomando e deu uma reviravolta, dirigindo-se ao obstinado vigilante:

– Muito bem. Você está certo. Nós vamos reprogramar a visita. E eu vou fazer um crachá. Parabéns por exercer a sua função com seriedade e cumprir o seu dever.

Com um sorriso, apertou a mão do rapaz, despediu-se e retornou ao carro debaixo do mais completo silêncio da comitiva.

A notícia do ocorrido invadiu a empresa como uma cabeça d’água, percorrendo todos os ambientes e ouvidos. Na sede da empresa, nos postos de trabalho espalhados e mesmo nos mais distantes canteiros de obras, ninguém escapou e não havia outro assunto nos dias que se seguiram.

Aquele presidente fez muitas coisas importantes, mas o que aprendi sobre liderança e hierarquia com este exemplo superou muitos ensinamentos de livros e aulas da universidade.

Antonio Carlos Sarmento

29 comentários em “POR EXEMPLO”

  1. Grande meu Amigo, muito bom dia . . . Este é o nosso legado, dar o exemplo do que falamos/fazemos . . . Mais uma vez, Parabéns!!!

    Curtir

  2. Maravilha !
    Isso é um verdadeiro exemplo , uma lição de liderança.

    Além de tudo, caso todos agissem dessa forma , os malefícios do ” Jeitinho brasileiro” não existiria .

    Parabéns Cacau !
    No aguardo ansioso da publicação de um livro .

    Curtido por 1 pessoa

    1. Valeu Chico!
      Grato pelo comentário. A hierarquia não pode servir para “carteiradas” e “jeitinhos”.
      O verdadeiro líder é aquele que dá o exemplo.
      Quanto ao livro é uma possibilidade e um desejo, mas não é nada fácil nestes tempos “virtuais”.
      Abraços

      Curtir

  3. Nao lembro do fato, mas creio que sei quem era o presidente. Realmente um profissional diferente. Grande abraço e boa semana!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Você sempre foi responsável.Chegou muito bem. Quantas vezes erramos por pessoas que está recebendo ordens.Brilhante continuou com as palavras de seu pai.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Parabéns amigo!
    Com suas crônicas dominicais vc nos visita, alimenta seus amigos, mantém vivo o nosso relacionamento , se faz presente!
    Linda prática, mais do que fala com sua mensagem, é o que faz com seu exemplo!!!
    👍👍👍👏👏👏👏

    Curtido por 1 pessoa

  6. Bom dia meu amigo! Estou embarcando p/ Rio, acabei de ler a crônica, muito boa e que belo exemplo que hoje é difícil existir. Abs
    Enviado do meu iPhone
    >

    Curtido por 1 pessoa

  7. Querido cronista,
    Bondade sua nos trazer lições que nos enriquecem como pessoas .
    As leituras na midia refletem a pequenez de caráter tão comum de nossos dias e você insiste em mostrar que os valores existem e que vale a pena falar sobre eles e, sobretudo, aplica-los à vida.
    Palmas para o vigilante, zeloso no seu trabalho;
    Palmas para o presidente, respeitador , cumpridor das regras e humilde;
    Palmas para Cacau ,amigo de seus ( fiéis) leitores, rico de simplicidade e de integridade.
    ” Pregue o Evangelho em todo tempo; se for preciso, até com palavras.”
    Frase atribuída a Francisco de Assis, sob questionamentos .
    Grande abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Querida Prima,
      Seus comentários enriquecem o blog Crônicas e Agudas.
      Com certeza alguns leitores já buscam, pois ilustram as crônicas, sempre agregando algo.
      Obrigado por sua generosa e atenta leitura.
      Beijos!

      Curtir

  8. Um limão em uma limonada!
    Ordens são feitas para serem cumpridas e sempre devem ser passiveis de interpretação mas em um momento adequado.
    E os exemplos gritam mesmo, sem dar oportunidade as palavras ou gestos de súplica.
    Parabéns por mais este belo texto

    Curtido por 1 pessoa

  9. Eu jurava que o presidente ia mandar você entrar visto que era o único com crachá. São Francisco de Assis disse a seguinte frase “evangelize sempre, se precisar use palavras”. Frase essa que sempre me marcou.

    Curtido por 1 pessoa

  10. Muito boa crônica! O entendimento da responsabilidade pela função e o exemplo de disciplina no trabalho, uma vez vivenciada e aprendida, torna-se inesquecível! Parabéns amigo!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s