EFEITO COLATERAL

Um amigo, certa vez, me alertou para três coisas a serem evitadas na vida: comer muito, dormir pouco e brigar com vizinhos. Sábios conselhos.

Sobre os dois primeiros ainda existem muitos recursos: profissionais de saúde, medicamentos, pesquisas, exames de laboratório e orientações técnicas. Quanto ao terceiro, não há a quem recorrer… Posso estar enganado, mas acho que nem na Psicologia existe uma disciplina para esta área, tipo “Morfologia das Relações Vicinais” ou “Impactos Cognitivos da Vizinhança”.

A coisa é tão importante, que na hora de comprar ou alugar um imóvel, a gente deveria conhecer primeiro os vizinhos e depois o imóvel. Isso mesmo!

O corretor precisaria apresentar previamente toda a documentação necessária ao fechamento do negócio, começando pelo dossiê dos vizinhos. Coisa simples:

– curriculum vitae

– teste de personalidade

– teste psicotécnico

– certificado de conclusão do curso de Etiqueta e Boas Maneiras, ministrado pela Associação Nacional de Defesa da Vizinhança – ANDEVI (entidade que pretendo criar, com sede em Brasília e representações em todos os municípios)

– audiometria (vizinho surdo pode infernizar a sua vida)

– exame de sanidade mental (vizinho louco, nem se fala)

– atestado médico de que não é portador de anosmia (doença da perda do olfato)

– declaração do condomínio informando quantas vezes foi eleito “Vizinho do Mês”, com foto sorridente no quadro de avisos

– Certidão Negativa de Conflitos com Vizinhos emitido pelo Cartório de Títulos e Documentos da região.

Mesmo assim, não estou certo de que apenas estes documentos seriam suficientes…

Mas alguns problemas seriam evitados. Por exemplo, se o vizinho de cima for baterista, daqueles que ensaiam em casa, nem de graça more ali. Gente muito festeira é outro perfil a ser evitado, a menos que você também seja. Sei de um caso em que uma bondosa senhora, aos poucos, foi recolhendo gatos abandonados na rua e, em determinado momento, tinha mais de 50 felinos no apartamento. Dali exalavam odores indescritíveis. Levou mais de um ano para a situação ser resolvida na justiça.

Conheci uma família cujo sonho era uma casa com piscina num condomínio fechado de alto padrão. Muitos anos de economia e dezenas de corretores depois, fecharam o negócio, achando que haviam encontrado o que tanto desejavam. Mas veio a surpresa: o condomínio impecável, a casa formidável, a piscina agradável e o vizinho… insuportável! O sujeito padecia de excesso de animação: todo final de semana era churrasco com pagode. Começava no sábado cedo, arrumando tudo ao som de Zeca Pagodinho. Ali pelas 11 da manhã chegava a turma e aí começava música ao vivo. Repito, ao vivo! Isso mesmo. Você não leu errado: ao vivo! Com cavaquinho, cuíca, surdo e tamborim. A cada cerveja, a animação e os decorrentes efeitos sonoros aumentavam. A cantoria estendia-se pelo dia inteiro e entrava pela noite, sem hora para acabar. O sonho virou pesadelo: colocaram a casa à venda 6 meses depois, rezando para que os potenciais compradores visitassem o imóvel sempre durante a semana, como aconteceu com eles.

Nos apartamentos a coisa se agrava muito, pois além dos vizinhos do lado, em frente e atrás, tem os de cima e os de baixo. Desde que Sr. Otis inventou o elevador há uns 150 anos e as moradias foram verticalizadas, cresceram os prédios e os problemas. E para completar, fomos acometidos por uma epidemia denominada “condomínio”, entidade do mal, que transformou em nossos vizinhos todos aqueles com quem compartilhamos áreas comuns e serviços. Um crescimento exponencial!

A maldade atingiu o ápice com a criação de um evento sinistro, concebido por forças ocultas, denominado reunião de condomínio. Consiste em uma sessão diabólica na qual todos os espíritos malignos se reúnem para desgraçar vidas. Uma produtiva fábrica de desavenças, desafeições e inimizades eternas.  Ouvi falar que um canal de TV a cabo será lançado para transmitir tais reuniões, mais emocionantes e violentas que lutas de UFC.

Vou parar por aqui, pois há o risco de um de meus vizinhos ler esta crônica e indispor-se comigo, algo que não desejo nem ao meu pior inimigo.

Deixei para o desfecho o relato de um curioso caso ocorrido com um amigo de longa data.

Anselmo morava em um subúrbio do Rio de Janeiro há mais de 20 anos, mas alimentava o desejo de mudar-se para um bairro próximo ao mar, para desfrutar da praia aos finais de semana. Porém, a esposa resistia, acostumada ao subúrbio e preocupada com as finanças familiares em bairros mais caros. Não havia jeito de convencê-la e Anselmo adiava há anos aquele projeto.

Certo dia instalou-se no prédio onde residiam, um novo morador, cuja vaga de garagem era contígua à sua, no lado direito. Passados alguns dias notou que seu carro, que tratava com tanto carinho, até então em perfeito estado, passou a apresentar pequenas mossas, resultantes de batidas de porta do carro ao lado. Teve certeza, já que as mossas eram do lado direito e apresentavam resíduos de tinta branca, exatamente a cor do carro do novo morador.

Fez um bilhete e colocou no limpador de para-brisas:

Prezado vizinho,

Peço a gentileza de tomar cuidado na abertura da porta de seu carro, pois está batendo e fazendo mossas no meu, que se encontra ao lado.

Desde já agradeço!

Cordialmente,

Anselmo – apto: 901

Achou que este aviso resolveria o problema. Doce ilusão.

No dia seguinte, antes de sair, examinou a lateral de seu carro. Ficou estarrecido: uma nova mossa, bem mais profunda, parecendo um vinco, havia surgido. E ali estava a indefectível tinta branca. Era a resposta ao bilhete.

Anselmo foi tomado por um sentimento de raiva que poucas vezes havia experimentado. Felizmente, o vizinho não estava ali naquele momento, pois seus horários não coincidiam. Precisava esfriar a cabeça. Foi para o trabalho pensando em qual seria seu próximo passo. Como lidar com este ogro, troglodita, incivilizado?

Passou o dia digerindo o ocorrido. Ao final da tarde, chegando em seu prédio, ingressou na garagem e lá estava o carro branco, ameaçador, olhando para ele com aqueles faróis apagados, mas, mesmo assim, agressivos. Sua temperatura interna subiu. Estacionou, voltou a olhar a situação do seu carro, alisou aquela contusão mais profunda e sua temperatura subiu mais um pouco. A raiva matinal retornou com toda força. Achou que precisava reagir corajosamente, à altura. Tinha sido educado, colocando o bilhete e o retorno foi hostil. Não se acovardaria. Sem pensar, desferiu uma joelhada no meio da porta autora dos amassados, causando um grande afundamento bem no meio dela.

Anselmo sentiu-se vingado. Mas a vingança nunca é fonte de sentimentos agradáveis. Subiu contrariado, não aliviado e já imaginando possíveis desdobramentos do caso. Chegou em casa e desabafou com a esposa. Ela, sensata e conciliadora, discordou do malfeito e aconselhou-o a procurar o vizinho para conversar sobre o assunto de forma adulta e equilibrada, buscando equacionar os prejuízos de ambos e dando um novo rumo aos acontecimentos. Anselmo achou que ela tinha razão e decidiu tomar aquela iniciativa no dia seguinte. Foi dormir um pouco mais tranquilo.

Veio a manhã seguinte. Desceu para a garagem e, ainda no elevador, elaborava mentalmente os termos da conversa que teria com o tal vizinho. Chegou a pensar em assumir a despesa do reparo do carro dele, por ter sido proposital, enquanto as mossas talvez tivessem sido acidentais.

Ao chegar próximo do seu carro teve um choque: um enorme X riscava o capô do carro em toda a sua extensão. Um risco profundo, provavelmente feito com chave de fenda. Na verdade, não era um risco, mas um sulco, com o pó das camadas de tinta nas bordas. Ficou paralisado. Ali naufragou o projeto de diálogo. Quase chorou de raiva.

Mal conseguiu trabalhar naquele dia, atormentado pelas lembranças desagradáveis. A toda hora aquilo vinha à sua mente. Estava descontrolado, como poucas vezes na vida.

Ao final do dia voltou para casa. Na garagem logo avistou o carro branco, o que lhe causou palpitações. Voltou a olhar o capô de seu carro e interpretou que o sinal de multiplicação indicava que, cada ação sua, seria retaliada de modo ainda mais grave, gerando uma espiral de violência. Não tinha outra solução. Decidiu que o assunto teria que ser resolvido imediatamente.

Chegou em casa bufando, passou reto pela esposa e dirigiu-se ao armário onde guardava a arma. Ela, notando os olhos arregalados e a expressão desvairada, imediatamente compreendeu o que estava na iminência de acontecer. Entrou no quarto enquanto ele, de costas, atabalhoadamente retirava coisas da prateleira superior do armário, em busca da arma que estava no fundo. Ela então passou a chave na porta e escondeu-a atrás do criado mudo. Postou-se em frente à porta trancada:

– Anselmo, eu quero me mudar para a Barra da Tijuca. – disse, num rasgo de oportunismo e sabedoria.

Ele já estava com a arma na mão, ainda descarregada e buscava as balas, mais difíceis de encontrar naquela bagunça.

– O que foi?

– Vamos morar na Barra, bem perto da praia. Pode escolher um apartamento e vamos nos mudar logo.

Ele voltou-se, viu a porta trancada e num lampejo de lucidez, compreendeu a situação em que se encontrava. Não conseguiria sair do quarto, pois nunca agrediria sua mulher. Ela, por sua vez, de personalidade forte e avessa à violência, jamais cederia.

O desfecho foi pacífico. Ao invés de uma possível prisão por homicídio, dois meses depois estavam morando na Barra da Tijuca.

Anselmo vai à praia todo final de semana e algumas vezes, de olhos fechados, desfrutando o calor do sol e a brisa do mar, se recorda do vizinho desafeto, que, sem saber, lhe proporcionou aquele magnífico efeito colateral. O conserto do carro foi um preço barato para conseguir o que tanto desejava.

Apenas uma sequela ficou: no condomínio onde mora jamais estaciona ao lado de carro branco.

Antonio Carlos Sarmento

40 comentários em “EFEITO COLATERAL”

  1. É verdade irmão….
    Que complexidade a convivência social!!!
    Ruim mesmo é quando o cínico,digo, o síndico é mal administrador e não sabe enxugar despesas e o valor do condomínio dobra em um ano….
    Afe Maria….só mudando pra Barra!!!!rsrsrs….

    Curtido por 1 pessoa

  2. Adorei a crônica de hoje.
    Me fez lembrar de nossa primeira vizinha quando nos casamos. Ela ia ao nosso apartamento para pedir ingredientes emprestados para fazer , por exemplo, um bolo . Só que dava falta de ingredientes do tipo ovos , farinha ,… ou queria fazer pudim de leite sem ter leite condensado .É possível começar uma receita de bolo ou pudim sem saber se tem esses ingredientes em casa ? Além disso aparecia , às vezes , de camisola a noite para bater papo . Seu marido trabalhava a noite . Resultado , eu e Ricardo tínhamos que andar na ponta dos pés para que não soubesse que estávamos em casa. Mudamos de lá e ao chegar no meu novo trabalho escutei uma voz dizendo : – Vizinha!!! Ninguém merece ! 😘

    Curtido por 1 pessoa

    1. Leila,
      Se eu soubesse desta história teria incluído esta vizinha na crônica… Muita cara de pau! Hahahaha
      Obrigado pelo comentário. Fico contente de notar que você e o Ricardo estão sendo leitores assíduoa.
      Grande abraço e uma ótima semana!

      Curtir

  3. Kkkkkk. Ri muito pois lembrei de fato semelhante ocorrido no meu “condominio”. Bom domingo e otima semana e , até o próximo domingo.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Muito boa. Lembrei de alguns vizinhos sem noção que já tive o desprazer de conviver. Parabéns excelente. Bjos

    Curtir

  5. Deliciosa esta crônica!
    Quem nunca teve um momento crítico com vizinho?
    Aliás condomínios são pós-graduação em relações humanas. Vc pode ser aprovado ou não. Parabéns!

    Curtido por 1 pessoa

  6. Meu querido irmão, obrigado pelas belas gargalhadas que nos proporcionou.
    Aqui, temos um vizinho do lado esquerdo de nossa casa, que faz festas, de vez em quando, com som alto e músicas variadas. Um certo dia conversando com ele nos jardins que compartilhamos lado a lado, cuidadosamente solicitei a ele se seria possível reduzir o nível das caixas acústicas. Disse que também gosto de festejar e expliquei que quem está na festa envolvida no contexto, não percebe que ao lado, na noite, fora do ambiente, quem está querendo dormir, não consegue. O barulho é amplificado e incomoda. Meu vizinho então teve uma sábia e inteligente solução. Passou a nos convidar para suas festas.

    Curtido por 1 pessoa

  7. Pois é , sempre acontece algum desconforto . Atualmente tenho um vizinho que dá aula de flauta, o dia inteiro aquelas notas repetidas são uma tortura. Para não ouvir tenho de colocar um som mais alto. Só não descobri onde mora o professor, acho que é no prédio em frente . Bjks Cacau!

    Curtido por 1 pessoa

  8. Achei muito interessante, no caso do Anselmo o resultado foi ótimo , imagina se ele não tem um vizinho ” destruidor” estaria ainda no subúrbio e não na sua moradia na Barra.
    E existem muitas coisas desagradáveis ,que no momento do acontecido não refletimos que pode nos levar para algo positivo.
    E se reparamos até na igreja acontece isso , em um passado bem recente , fiquei insatisfeito , sou um pecador, e fiquei impaciente porque um casal ia , na minha imaginação falar em um hora imprópria e de coisas inapropriadas , mas bem feito para mim, foram rápidos e muitos simpáticos .
    Portanto , também tem o lado nosso de pecadores , talvez na primeira mossa o problema tivesse sido resolvido de modo mais racional…

    Ótima crônica …. parabéns mais um dez !

    Curtido por 1 pessoa

  9. Primo, a crônica esta bem atual porque sempre temos um(a) vizinho(a) fora dos padrões aceitáveis de boa educação e a convivência nem sempre é pacífica. Mas, são eles que podem nos ajudar em momentos difíceis e imprevisíveis. Boa semana para você. Bj

    Curtido por 1 pessoa

    1. Rô,
      Claro que também existem os bons vizinhos.
      Nós temos uns vizinhos que hoje fazem parte da nossa família. Moramos no mesmo condomínio por 20 anos: depois nos mudamos e, uns 3 anos depois, eles vieram morar junto de nós novamente. Uma maravilha!
      Beijos

      Curtir

  10. Eu estava torcendo para o Anselmo encontrar o vizinho. Na Barra da Tijuca, em algum momento, ele vai estacionar ao lado de um carro branco. Muito legal!!!!
    Abraços meu amigo.

    Curtir

  11. hahahahaha sensacional. Não imaginei que o Anselmo ia chegar a tanto, mas eu pensei em várias maneiras de “retribuir” o favor pelas mossas.
    Hoje temos um vizinho carpinteiro/restaurador/pedreiro.

    Curtido por 1 pessoa

  12. Retratar a vida com os vizinhos rende muitas histórias : irritantes ou gentis; tediosas ou engraçadas.
    Admiro como você descreve tão bem as situações do dia a dia, comuns a todos nós.
    Conheço um provérbio árabe que vai ao encontro de sua narrativa:
    “Antes de examinar a casa, para comprar, examina o vizinho”.
    Mas ,um relacionamento de amizade com o vizinho nos faz muito bem. Convivo com pessoas queridas que me acompanham com respeito e com carinho.
    Vivemos uma experiência gratificante nesse sentido: quando Adauto começou a tocar trompete, ficava preocupado em incomodar os moradores com o som. Por isso, usava surdina.
    Porém, ao invés de reclamar, as pessoas encomendavam músicas. E, às vezes, quando terminava, ouvíamos palmas vindas do corredor ou de algum apartamento.
    Vizinhos são, na realidade, um desafio ou uma oportunidade.

    Curtido por 2 pessoas

    1. Isso mesmo Prima!
      Citei apenas casos problemáticos pois são mais engraçados, mas existem também vizinhos maravilhosos.
      Muitíssimo obrigado por sempre comentar, com a delicadeza e carinho que são a sua marca.
      Beijos

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s